quarta-feira, 28 de abril de 2010

(Mal)ditos de Nietzsche

"O amor a uma só pessoa é uma barbaridade, pois ele é praticado às custas de todas as outras. Também o amor a Deus"
Nietzsche, depois de uma suruba.

"'Eu fiz isso', diz minha memória. 'Não posso ter feito isso' - diz meu orgulho, e se mantém inexorável. Por fim - a memória cede."
Nietzsche, depois de um porre daqueles.

"Graças à música, as paixões gozam a si próprias."
Nietzsche, na saída do show do Wando.

"As grandes épocas de nossa vida são aquelas em que ganhamos a coragem de rebatizar o nosso mal como o nosso melhor."
Nietzsche, após ganhar o campeonato de purrinha com um palitinho escondido na manga.

"Por amor à hmanidade, às vezes se abraça uma pessoa qualquer (porque não se pode abraçar todo mundo), mas precisamente isso não se deve revelar a essa pessoa qualquer..."
Nietzsche, depois de pegar a mulher mais baranga da festa

"O que é feito por amor, ocorre sempre além do bem e do mal."
Nietzsche, ao ser pego no flagra pela patroa pulando a cerca com a cunhada

"Na vingança e no amor, a mulher é mais bárbara que o homem."
Nietzsche, ao ver seu carro destruído pela fúria da mulher após ser pego no flagra pulando a cerca com a cunhada.

"Em circunstâncias pacíficas, o homem guerreiro investe contra si mesmo."
Nietzsche, na seca, após tocar uma punheta.

6 comentários:

marcio leandro disse...

e ainda tem gente que leva nietzsche a sério...

marvin . disse...

kkkkkkkkkkkkkk


rachei! até postei no meu twitter, linkei teu blog!


bjão!

marvin . disse...

@marvinreed - se tiver twitter...

Aurora disse...

Valeu Marvin! Quando leio Nietzsche, se eu não rir, eu choro. Prefiro a demência, então.
Eu até tenho twitter, mas ainda não me acontumei a ele. Vou te seguir. Um dia eu chego lá... beijos.

Claudia Kras disse...

INCRÌVEL!!

Aurora disse...

Hehehe, minha versão gozadinha. :P